Os 7 Custos da Profissão Day Trader

O trader não tem só que pagar corretagem à sua corretora, mas, também, pagar os custos da bolsa e outros. 

Além do custo bolsa e corretora, citamos mais cinco custos que o trader tem que levar em consideração. 

Custo #1 – O Custo de Corretagem 

Fazer negócios, trades, tem custo, claro! De todos os custos envolvidos, o mais barato é o da sua corretora: a chamada corretagem.

O que é corretagem? 

É uma taxa cobrada pelas corretoras na compra e venda de ativos feitos por intermédio dela. E é justo: a corretora recebe, processa e envia sua ordem para a bolsa, sendo de vital importância a cobrança de corretagem para manutenção da tecnologia da empresa. 

Não é porque é justo que tem que ser caro: um custo de até 5 reais por ordem executada está bem pago (no caso de 5 reais, mais que bem pago). 

Lembre-se: a cada ordem de compra e venda de ações ou opções, ou a cada contrato negociado no mercado futuro, a corretagem estará lá.

Exemplo de tabela de corretagem. 

Custo #2 – O Custo Bolsa 

Acho que ninguém discorda quando digo que esta peça não pode falhar. Para suportar os milhares de milhares de negócios e informações correndo pelo sistema da bolsa todo dia, há que se ter uma boa manutenção. 

A bolsa tem custo também: são os emolumentos, liquidação e ISS.

Acima, um exemplo de nota de corretagem da Bovespa com seus custos. 

Custo #3 – O Custo de Imposto de Renda

Temos que pagar o sócio. E o custo é de 20% de imposto de renda para o lucro no day trade, apurado mensalmente.

O lado bom é que se você estiver pagando todo mês IR, está todo mês positivo. 

Então, ao final de cada mês você deverá apurar seu resultado final, separado por mercados: ações, opções, futuro, e termo. Sobre o resultado final líquido, em caso positivo, pagar 20% sobre ele com a DARF 6015.

Não se preocupe com isso agora, teremos uma aula específica de IR. 

 Custo #4 – O Custo de Infraestrutura

No módulo anterior vimos todo equipamento necessário para o dia-a-dia do trader, desde a cadeira até o estabilizador.

Além do gasto inicial, o trader vai, vez ou outra, melhorar algo, seja um mesa nova, um PC novo, ou até uma nova plataforma. 

 O fato é que este investimento inicial vai ter que ser feito e mantido com o tempo.

Para montar um escritório completo (cadeira, mesa, PC, etc), com conforto e sem luxo, o trader deverá gastar, no mínimo, em torno de R$ 5.000, desconsiderando os custos mensais:

Tabela com exemplo de gastos em infra para traders

Custo #5 – O Custo das Perdas

Nós todos temos maus dias, simplesmente acontece e é inevitável.

Um dia de loss é como dar um passo para trás (ou até mais). Abaixo preparei uma tabela para dar uma ideia ao trader do quanto custa o loss:

Tabela de custo loss. 

NOTA IMPORTANTE: não é porque o trader teve perdas num dia que deve chegar no outro com a mentalidade de recuperar! Isto não é saudável! A tabela acima é para o trader poder quantificar o custo do loss e entendê-lo, e não para ser um guia de rentabilidade esperada. 

 Este custo faz parte de sua formação, então se acostume com o loss que te acompanhará no início de carreira.

 Abaixo, foto de um trader que nunca teve loss:

Foto 3×4 de trader que nunca teve loss. 

Custo #6 – O Custo de Aprendizagem

Com certeza, um dos maiores custos de sua formação. Trader que não investe em educação, não evolui. Livros, cursos, palestras: tudo faz parte de sua formação como trader.

Este curso mesmo está te custando algo, certo? E assim vai ser até o resto de sua carreira, estudar é preciso e sempre! 

 Custo #7 – O Custo de Oportunidade 

O maior custo de todos. Custo de oportunidade não é só aquilo que não fazemos com nosso dinheiro em detrimento deste ou daquele negócio.

Custo de oportunidade também é tempo: o seu tempo!

Não há bem mais valioso do que nosso tempo, e o trading vai consumir muita parte dele. 

Então, para não abrir mão de boa parte do seu tempo e desistir depois, esteja sempre focado no processo de aprendizado! Dinheiro vai e vem: tempo não volta.

Não jogue seu tempo fora.