Market Profile é uma ferramenta gráfica de leitura do mercado criada por J. Peter Steidlmayer no início da década de 80, com o objetivo de auxiliar o trader no entendimento e percepção dos mercados.

Muito longe de ser um ‘trading system’ ou algum tipo de setup de compra e venda, a função do Market Profile é, simplesmente, organizar os dados de negociação dos mercados de uma forma compreensível e adequada para as tomadas de decisão de traders e investidores.

Desde seu surgimento, o Market Profile é divulgado conjuntamente com uma série de conceitos teóricos e operacionais no intuito de explicar sua utilidade e aplicação prática ao grande público.

Neste artigo, você vai conhecer estes conceitos fundamentais do Market Profile, conforme eles foram difundidos e sintetizados nas obras originais de seu criador, Peter Steidlmayer.

Caso você queira guardar este artigo para ler depois, faça o download aqui: Ebook Market Profile – Conceitos Fundamentais

Origens do Market Profile

Peter Steidlemayer nasceu em uma família de fazendeiros e aprendeu a negociar nos mercados agrícolas com o pai, que era um fazendeiro e ativo negociante. Assim, desde cedo, desenvolveu uma visão prática e objetiva dos processos de negociação.

Ele iniciou sua carreira como trader em 1960, nos pits de negociação da bolsa de commodities de Chicago, a CBOT.

No início de sua carreira, Steidlmayer buscava encontrar uma “medida real de valor” para interpretar as condições dos mercados que operava e, assim, executar seus trades com maior confiança.

Nesta busca, ele foi influenciado pelos trabalhos de Benjamin Graham and David Dodd relacionados a análise de valor para investimentos e, também, pelo conceito de ‘minimum trend’ desenvolvido pelo grafista John Schultz.

Além destas influências e de seu background como negociador, Steidlmayer estudou estatística na universidade de Berkeley, onde conheceu o conceito da Curva de Bell ou “curva de sino”. Segundo ele:

“(…) Eu já havia aprendido, por observação e por conversas com meu pai, que a relação entre preço e valor era a chave para se entender os mercados – preço afastado do valor usualmente representa oportunidade. (…) A ideia de usar os conceitos de Graham e Dodd juntamente com a curva de sino claramente me deixaram intrigado.” Pag.18 Steidlmayer on Markets – 2nd edition

A partir destas influências e de suas experiências como trader, Steidlmayer foi desenvolvendo uma forma peculiar de anotar o que ele percebia dos mercados.

Inicialmente, o objetivo destas anotações era, simplesmente, auxiliar nas suas próprias operações no mercado.

Porém, no início da década de 1980, quando Steidlmayer se tornou diretor da CBOT, a bolsa de commodities de Chicago, ele foi convidado para liderar o projeto de implementação de uma forma revolucionária de transmissão dos dados de negociação do mercado, o ‘Liquidity Data Bank’.

Liquidity Data Bank Vesão Original Otimozada
Exemplo de relatório do Liquidity Data Bank

* CTI é uma abreviação de ‘Commodities Trader Identification’ ou, posteriormente, ‘Customer Trader Indicator’

O Liquidity Data Bank era, em suma, um relatório emitido apenas no final do dia pela CBOT que mostrava o volume negociado em cada nível de preço, a porcentagem negociada por cada tipo de participante (CTI*) e o Market Profile do dia.

Foi a partir deste relatório que o market profile e seus conceitos fundamentais passaram a se tornar mundialmente conhecidos e aplicados por milhares de traders individuais e participantes de mesas proprietárias.

Entendendo o Gráfico de Market Profile

A forma mais simples de entendermos como o gráfico de Market Profile funciona é compará-lo, inicialmente, à um gráfico normal de candles de 30 minutos.

Graf 01 1
Grafico de Candles de 30 minutos

Nesta figura cada candle representa 30 minutos de negociação alinhados horizontalmente numa escala de tempo.

O que o Market Profile faz, inicialmente é substituir estes candles por letras que representam esses 30 minutos de forma sequencial:

A = 0 a 30 min

B = 30 a 60 min

C = 60 a 90 minutos

E assim por diante, formando o gráfico que podemos ver abaixo:

Graf 02 1
Exemplo de Gráfico de Market Profile ( Com as “letras” desagrupadas)

Porém, esta forma de representação ainda não é o Market Profile, mas sim uma forma de explicar como ele é formado.

Para termos o gráfico de Market Profile, imagine que estas letras são “empurradas” para a esquerda como se estivéssemos num jogo de Tetris.

Fazendo isso, finalmente, entendemos a formação do Market Profile, exemplificado no gráfico abaixo:

Graf 03 1
Gráfico de Market Profile

Note que estes três gráficos acima representam o mesmo mercado, porém, de formas diferentes.

Fica, então, evidente na utilização do Market Profile, uma formação de regiões onde o preço negociou por mais tempo, formando o que chamamos de ‘regiões de valor’, conceito derivado, como explicado, da estatística e dos estudos de Graham & Dodd aplicados por Steidlmayer ao trading.

No Market Profile, o valor é formado pela equação: Preço + Tempo = Valor

Isto quer dizer, simplesmente, que as regiões onde o mercado negociou por mais tempo, são as regiões de valor.

Veja abaixo uma utilização do Market Profile conjuntamente com um gráfico de candles de 30 minutos, já ressaltando a área de valor (em amarelo), conceito que você entenderá melhor nos próximos parágrafos.

Graf 04 1
Gráfico de Market Profile com Gráficos de Candles (30 min)

A Estrutura do Market Profile

A estrutura do Market Profile é formada pelos TPOs.

TPO é uma sigla cunhada pelo próprio Steidlmayer para representar cada uma destas letras que são plotadas no gráfico.

Uma boa tradução seria como Tempo, Preço e Oportunidade (Time Price Opportunity).

Vamos olhar para estes três componentes do TPO explicados mais detalhadamente.

Para isso, vamos usar a analogia com o leilão, inspirada nos estudos de um dos maiores divulgadores do Market Profile e contemporâneo de Steidlmayer, James Dalton.

Caso você queira guardar este artigo para ler depois, faça o download aqui: Ebook Market Profile – Conceitos Fundamentais

(A visão dos mercados como um leilão está na raiz da interpretação dos dados do Market Profile e é conhecida como Auction Market Theory).

Num leilão temos o leiloeiro, que anuncia os preços, temos um tempo de início e fim do leilão e também os preços anunciados.

Então, fazendo esta comparação dos mercados funcionando como leilões, temos que:

O Preço negociado funciona como um leiloeiro anunciando todas as oportunidades.

O Tempo de abertura e fechamento do mercado funciona como um regulador destas oportunidades, criando os diversos ‘timeframes’ de operação.

O Volume negociado nos níveis de preço mede o “sucesso” ou “fracasso” das oportunidades anunciadas.

Com esses conceitos na cabeça fica mais claro entender o porquê do nome TPO (Tempo, Preço e Oportunidade).

Por exemplo, quando um preço é anunciado, o volume negociado lá vai medir a aceitação ou rejeição do preço por parte dos participantes do mercado.

Uma rápida rejeição significa uma falha, ou seja, não há continuidade dos preços naquela direção e pode indicar um ponto de reversão.

Conceitos Fundamentais do Market Profile

Longe da ideia de esgotar os estudos sobre o Market Profile, a intenção deste artigo é apresentar uma visão geral de sua origem e principais fundamentos.

Os conceitos fundamentais serão apresentados com sua nomenclatura em inglês conjuntamente com a tradução para o português.

É muito importante o domínio desses conceitos no inglês para facilitar o estudo.

Então, vamos a eles:

Initial Balance (Equilíbrio Inicial)

Graf Ib 1
Initial Balance Destacado em Roxo

O Initial Balance é representado pelos dois primeiros períodos de negociação, ou seja, as letras ‘A’ e ‘B’ (faixa roxa ao lado dos TPOs). Isso corresponde à primeira hora de negociação.

Por que essa primeira hora é chamada assim?

Independente do ativo ou derivativo que você esteja negociando, de um dia para o outro muitas coisas acontecem e tanto os pequenos quanto os grandes players ajustam suas posições no início do dia, ou, simplesmente, “testam” os níveis de interesse do mercado.

Por isto esta primeira hora é, normalmente, marcada por muita volatilidade e costuma marcar uma região inicial de negociação.

É importante ressaltar que cada mercado possui suas particularidades e este conceito de Initial Balance não precisa ser adotado de forma mecânica, sendo que o Initial Balance pode durar mais ou menos que a primeira hora e, em determinadas situações, nem se formar!

A região do Initial Balance também pode nos dar pistas de como o dia vai desenrolar, se vai ser um dia lateralizado ou de tendência.

Range Extensions (Extensões do Range)

Graf Re 1
Range Extensions destacado em roxo

Os Range Extensions são movimentos verticais que “alargam” a região inicial de negociação do ativo, o Initial Balance (evidenciado pelos retângulos azuis nos TPOs C e D).

Por “quebrar” esta área de equilíbrio do ativo podem revelar novos ou big players entrando no mercado.

Como uma área de equilíbrio é quebrada levando o mercado ao desequilíbrio, pode ser que grandes players estejam entrando “no game”, já que são eles que tem o poder de realmente levar o mercado a novos preços.

As extensões vão se formando ao longo da negociação e podem, ou não, levar a uma nova área de valor.

Value Area (Área de Valor)

Graf Va 1
Area de Valor destacada em amarelo

A Área de Valor é a região do Market Profile composta por 70% do volume de TPOs de uma amostragem do ativo negociado.

Lembra-se da curva de sino comentada no início deste texto? Pois bem, a Área de Valor representa aproximadamente um desvio padrão da “amostragem” dos TPOs.

Podemos dizer que esta área é a região de preços onde os compradores e vendedores mais concordaram em fazer negócios, onde os preços são vistos como justos para os dois lados e foram negociados por mais tempo.

Segundo James Dalton:

“Independentemente do time frame que se esteja analisando, quando os preços se afastam de uma área de valor, pode acontecer tanto uma aceitação – representada pela acumulação de TPOs no novo nível de preços, o que efetivamente muda a forma do Market Profile e desloca a área de valor – ou uma rejeição, quando os preços retornam a área de valor com pouca mudança no volume da distribuição” (Markets in Profile).

Importante ressaltar que na literatura original não existe o conceito de VAH (value area high) e VAL (Value area low), muito difundido por algumas pessoas quando se referem aos conceitos de Market Profile.

Point of Control (Ponto de Controle)

Graf Poc 1

O ponto de controle (linha azul), ou POC, é o preço que foi negociado por maior número de tempo, representado pela maior fileira de TPOs.

Podemos vê-lo, também, como o preço mais justo para se fazer negócios, já que a maior parte deles aconteceu nesse nível de preço.

Extremes (Extremos)

Graf Ext 1

Os extremos (retângulos verdes) são regiões onde o mercado se encontrou em desequilíbrio, ou seja, onde os preços foram vistos como «injustos» pelos participantes.

Essas regiões se encontram abaixo e acima da área de valor. São regiões onde houve rejeição do mercado, onde o mercado ficou pouco tempo negociando.

Deste conceito de extremos deriva a ideia dos ‘buying tails’ e ‘selling tails’ (retângulos vermelhos) que acontecem quando se forma uma cauda comprida, com no máximo 2 TPOs de largura, nos extremos do range.

Graf Tails 1

Initiative vs. Responsive Activity (Atividade Iniciativa vs. Responsiva)

Graf Ini 1

Os conceitos de ‘Atividade Responsiva’ ou ‘Iniciativa’ foram usados, originalmente, para qualificar o comportamento dos participantes do mercado em relação à área de valor do dia anterior.

Porém, é possível extrapolar esta análise também em relação às referências de áreas de valor de períodos maiores.

O conceito é simples: toda vez que o preço for negociado acima da área de valor, dizemos que os compradores estão tendo a iniciativa de levar os preços a novos valores, ao mesmo tempo em que os vendedores são responsivos, ou seja, estão respondendo, com vendas, a esse preço mais alto do que o valor.

O inverso também vale: vendedores que vendem abaixo da área de valor são iniciativos e os compradores são iniciativos. Assim, temos: Acima da área de valor: ‘Initiative Buyers & Responsive Sellers’

Abaixo da área de valor: ‘Initiative Sellers & Responsive Buyers’ Assim, a tendência é que a atividade responsiva traga o preço de volta à área de valor, assim como a atividade Iniciativa leva o preço a extrapolar e buscar novas regiões de aceitação.

Importante: fique atento para não cair no erro de confundir os conceitos de atividade Iniciativa/ Responsiva, que estão relacionados ao comportamento do mercado em relação as regiões de valor, com os conceitos de agressão ou absorção que são usados na análise do fluxo de ordens.

Considerações finais

Os conhecimentos que acabou de adquirir lendo este artigo devem ser considerados apenas como o início de uma grande caminhada.

Além dos conceitos e exemplos mostrados aqui, de forma resumida, existem ainda muitos insights e percepções que só podem ser aprendidas com a prática e com a experiência real aplicada no seu dia-a-dia como trader, tomando suas próprias decisões e aprendendo com as infindáveis mudanças do mercado.

A proficiência no day trading exige, dentre outras habilidades, um profundo conhecimento de mercado, de sua estrutura e lógica de negociação, itens onde os estudos de Market Profile exercem um papel fundamental.

Espero que, com este artigo que acaba de ler, eu tenha te ajudado a ter visão clara e objetiva da importância do Market Profile e seus conceitos fundamentais.

Bons estudos e bons trades!

Rafael Iasi

Rafael Iasi

Rafael Iasi é o idealizador do site Day Trader Pro. Atua no mercado como day trader independente desde 2013 e é um dos pioneiros na difusão da moderna analise de fluxo de ordens no Brasil. Desde meados de 2015 vem colaborando, através de artigos, vídeos e cursos, na formação de milhares de outros day traders que acompanham o site, canal do youtube e mídias sociais da Day Trader Pro.

View all posts